Quem Somos

É preciso voltar no tempo e recordar que a Diocese de Divinópolis foi criada pela Bula, “Qui a Christo” do Papa Pio XII, em julho de 1958, em território desmembrado da Arquidiocese de Belo Horizonte e da Diocese de Luz.

dom-cristiano-div_1Seu primeiro bispo Dom Cristiano Frederico Portela de Araújo Pena, foi o responsável pela vinda, criação e divulgação do Movimento de Cursilhos em nossa Diocese. Ao tomar conhecimento do bem imenso da obra que os Cursilhos realizavam em todo o Brasil, dirigiu-se para a Diocese de Patos de Minas, e em 1970 participou de um cursilho que se realizava na cidade de Ibiá. O entusiasmo foi tamanho, que chegando a Divinópolis, selecionou alguns irmãos para ir até Araxá e participar também de um Cursilho.

Os escolhidos foram: Pe. Miguel Rodrigues,Hamilton Gregório e Dr. Sebastião Nunes. Nesse mesmo ano, outros irmãos foram enviados a outras cidades de Minas Gerais para participarem de outros cursilhos.

A dedicação de Dom Cristiano para com o Movimento de Cursilhos foi tamanha, que reuniu forças e um grupo de pessoas entusiasmadas, para fazer acontecer o 1º Cursilho Masculino em nossa Diocese nos dias 14 a 17 de janeiro de 1971. Estava assim lançada a semente que iria crescer e tornar-se nesta árvore frondosa que nos últimos 42 anos, produziu abundantes frutos.

Até 1985, os cursilhos foram realizados no Patronato Bom Pastor e nas Obras Sociais da Diocese. A direção do Secretariado Diocesano do Movimento de Cursilhos reconheceu que os locais não mais ofereciam condições para realização de encontros da grandeza do Movimento.

Então reuniram-se com pessoas dedicadas e entusiasmadas com o Movimento de Cursilhos, confiaram na misericórdia de Deus e com as bênçãos do Espírito Santo, e em 1980 lançaram mãos na construção da Casa de Retiros Monsenhor Hilton, que veio acolher em 23/11/1986, o 32º Cursilho Masculino da Diocese, e passar a ser o grande presente do Movimento de Cursilhos para o povo de Deus da nossa Diocese.

De 1971 até hoje, o nosso GED já realizou 221 cursilhos, sendo: 72 masculinos adultos, 72 femininos adultos, 32 jovens masculinos, 32 jovens femininos, 11 ambientais masculinos, 11 ambientais femininos, 01 ambiental masculino para as Casas de Recuperação e 01 ambiental masculino para Paróquia de Nossa Senhora Aparecida.

Após a criação do Estatuto do Movimento de Cursilhos a nível nacional, houve uma grande mudança nas siglas das estruturas do MCC, hoje, MCCB. As estruturas consideradas como Secretariados a nível nacional, regional e diocesano, passaram a ser denominadas como Grupos Executivos. Em virtude das referidas mudanças, as pessoas que estavam na direção das respectivas estruturas, passaram a receber o título de coordenadores, e não mais de presidentes. Outras denominações também tiveram vez, entre elas: Aquelas que eram consideradas como Sub-Ged’s, passaram para Sed’s (Setores Executivos Diocesanos). Hoje, até os Grupos, têm nova sigla: NCAs – Núcleos de Comunidades Ambientais.

Com a aprovação do estatuto do Movimento de Cursilhos a nível mundial pela Santa Sé, criou-se o OMCC e também as novas siglas para as estruturas do MCC para as quatros sedes continentais.

simbolo Cursilho